Maria Esther Bueno

A NOSSA RAINHA

Maior tenista brasileira de todos os tempos, Maria Esther Bueno coleciona uma lista de títulos que dá inveja a qualquer esportista do mundo. Sua fama se deve não só ao tricampeonato em Wimbledon, mas também às quatro conquistas do US Open. Em 1959, aos 19 anos, ela se firmou como estrela de primeira grandeza do circuito mundial, ao levantar o torneio de Wimbledon e o Aberto dos EUA.
A Paulista, Maria Esther Bueno, assim como todos os tenistas brasileiros e sul-americanos, se formou em quadras de saibro. Mesmo assim, sua adaptação na grama sagrada do All England Club foi excepcional, pois logo na sua estréia em Wimbledon, em 58, com 18 anos, levou o título de duplas ao lado da negra Althea Gibson. O ótimo desempenho de Maria Esther em vários tipos de pisos chama a atenção principalmente nos dias de hoje. É difícil encontrar tenistas tão versáteis como Estherzinha, que ganhou em todos os pisos e modalidades. Os tenistas atuais são especializados, como é o caso do Guga, que tem uma boa performance no saibro mas se dá mal na grama.
O seu reinado deu pinta de ser grandioso quando já como juvenil conquistou 12 títulos de simples, 15 de duplas e foi a 26 finais. De 57 a 67, Estherzinha, como era chamada carinhosamente, provou que tinha muito mais o que mostrar ao mundo ao vencer 65 campeonatos internacionais em simples, outros 90 em duplas e 15 em duplas mistas, além de ser vice em simples por mais 45 vezes.

No total são 170 títulos fora do Brasil, sendo que em 257 oportunidades estava disputando um troféu. Esse quadro só não foi maior porque não escapou das contusões. A receita para tanto sucesso é simples. "Fui escolhida para fazer alguma coisa e fazer bem, pois acredito que são poucos os que nascem com essa missão. E também porque gosto muito", revela Maria Esther, que só não ganhou os Abertos da França e Austrália, mas foi vice em 64 e 65, respectivamente.

Maria Esther nasceu no dia 11 de outubro de 1939, em São Paulo. Os seus primeiros golpes foram dados no quintal dos Bueno na rua Guaporé. Um velho cobertor servia de rede e as raquetes eram de madeira inteiriça. Como professor e parceiro neste início de carreira, o irmão Pedro, que ensinou muito mais do que trocar e rebater bolas. Depois, aos 11 anos, trocou o quintal pelas quadras do Clube de Regatas Tietê.

De estilo agressivo, saque forte e uma incrível mobilidade na quadra, ela fez sua primeira viagem internacional em 56, quando ganhou o Orange Bowl (mundial juvenil), nos Estados Unidos. No ano seguinte, sagrou-se bicampeã deste torneio e ainda obteve o seu primeiro título de adultos em Fort Lauderdale,

Mais tarde, a primeira conquista em Wimbledon, que fez como se estivesse em quadra para cumprir mais um jogo. "Nem imaginava o que seria aquilo tudo! Os que me acompanhavam ficavam mais nervosos do que eu", confessa Maria Esther, que também conquistava a torcida por sua graça. A cada jogo, ela vestia uma roupa diferente, que o costureiro inglês Ted Tinling criava especialmente para ela. Alguns conjuntos de vestido e camiseta tinham motivos brasileiros, como palmeirinhas verdes e amarelas. "Tudo era muito camuflado, porque na época o uso do branco era obrigatório", conta.

Maria Esther abandonou o tênis competitivo em 67, um ano antes de os torneios começarem a dar prêmios em dinheiro. No seu retorno em 74, quando ganhou o título do torneio de Tóquio, faturou um prêmio de US$ 3 mil, muito pouco para uma rainha. Hoje, para perder na primeira rodada de Roland Garros, o tenista fatura US$ 7 mil. Em 1977, ela fez sua última final em Dublin, e anunciou seu abandono definitivo pouco depois, em Wimbledon.

Esther, contudo, soube tirar proveito do que plantou. Pelo menos durante sete ou oito meses do ano passa fora do país dando clínicas pelo mundo e divulgando o esporte que a fez uma das maiores esportistas do milênio.


A MAIOR

Total de títulos: 589 (quinhentos e oitenta e nove)
Primeiro título de GS: Wimbledon, 1959, aos 19 anos e 266 dias
No Grand Slam: campeã em Wimbledon (59, 60, 64), campeã no US Open (59, 63, 64, 66);
em duplas venceu Wimbledon (58, 60, 63 e 65); US Open (60, 62, 66 e 68); Aberto da Austrália (60); Roland Garros (60); e em duplas mistas venceu Roland Garros (60).
Último título internacional: Tóquio, 74
Número um do mundo: 59, 60, 64 e 66.
Ranqueada entre as dez melhores no período de 58 a 68.
Parcerias vitoriosas: Em 60, completou o Grand Slam de duplas, ao vencer na Austrália, com Christine Truman, e em Wimbledon, Roland Garros e no US Open, todos em parceria com Darlene Hard.
Entrou para o Salão da Fama do Tênis em 1978
Foi eleita para o Museu de Esportes e Salão da Fama de Nova York em 1993
Tem duas estátuas em sua homenagem na cidade de São Paulo (nos bairros do Jardim Europa e do Pacaembu)
Foi eleita a melhor tenista do século 20 da América Latina em 1999/2000


CONFIRA O REINADO DE ESTHERZINHA
SIMPLES

Campeã - Orange Bowl juvenil e Fort Laudardale (57); Nacional da Itália, Wiesbaden, Dusseldorf, Bristol, Tampa, St.
Petesburg, Fort Laudardale, Orlando, Holywood, Miami, Jacksonville e Houston (58); Wimbledon, Nacional dos Estados Unidos, Bristol e Birmingham (59); Wimbledon, Antuérpia, Gstaad, Birmingham, Perth, Adelaide, Barranquila e Caracas (60); Nacional da Itália, Turim, Viena, Barranquila, Caracas e San Juan (61); Baden-Baden, Bastad, Hilversun e Caracas (62); Nacional dos Estados Unidos, Cape Town, Joanesburgo, Caracas e Pipping Rock (63); Wimbledon, Nacional dos Estados Unidos, Baden-Baden, Dublin, Beckenham, País de Gales, East London, Cape Town, Pretória e Los Angeles (64); Nacional da Itália, Florença, Montana e Dublin (65); Nacional dos Estados Unidos, País de Gales, Los Angeles, São Francisco e Essex (66)(; Antuérpia e Manchester (67) Eastbourne e Essex (68) e Tóquio (74).

Vice-campeã - Coral Gables (57); Hamburgo, Manchester, Barranquila, Caracas, Montego Bay, Coral Gables e West Palm Beach (58); Berlim, Caracas e Los Angeles (59); Nacional dos Estados Unidos e San Juan (60); Nápoles (61); Nacional da Itália, Bristol, San Juan e Essex (62); Nottingham, Casablanca, East London, Barranquila, Montego Bay, São Francisco e Essex (63); Hamburgo, Nacional da França, Hilversum, Jonesburgo, Bloemfontein e Buenos Aires (64); Wimbledon, Gstaad, Manchester, Beckenham e Nacional da Austrália (65); Wimbledon, Hamburgo e Beckenham (66); Nacional da França e Joanesburgo (67); Los Angeles e São Francisco (68); Caracas (69) e Dublin (77).


DUPLAS


CAMPEÃ - Barranquila, Montego Bay, Kingston, San Juan, Coral Gables e Fort Laudardale (57); Wimbledon, Wiesbaden, Montego Bay, San Juan, Tampa, St. Petesburg, Coral Gables, Fort Laudardale, Orlando, Hollywood, Hilversun Park, Miami, Houston, Los Angeles e São Francisco (58); Birmingham, Sydney e Caracas (59); Wimbledon, Nacional dos Estados Unidos, Nacional da França, Nacional da Austrália, Antuérpia, Birmingham, Londres, Perth, Adelaide, Brisbane, Barrranquila, Caracas, San Juan, Los Angeles e São Francisco (60); Viena, Barranquila e Caracas (61); Nacional dos Estados Unidos, Nacional da Itália, Baden-Baden, Bastad, Barranquila, Caracas, San Juan, Los Angeles e São Francisco (62); Wimbledon, Nacional dos Estados Unidos, Manchester, Nottingham, East London, Cape Town, Durban, Joanesburgo, Bloemfontein, Barranquila, Caracas, Montego Bay, Los Angeles, São Francisco, Chicago, Pensilvânia, South Orange e Pipping Rock (63); Baden-Baden, Beckenham, East London, Durban, Joanesburgo, Bloemfontein, Pretória e Buenos Aires (64); Wimbledon, Montana, Dublin, Essex e Honolulu (65); Wimbledon, Nacional dos Estados Unidos, Munique e Hoylake (66); Nacional dos Estados Unidos, Eastbourne, São Francisco e Essex (68).

VICE-CAMPEÃ - Tampa e St. Petesburg (57), Caracas e Toronto (58); Nacional dos Estados Unidos, Nacional da Itália, Bristol e Los Angeles (59); Nacional da França e San Juan (61); Londres e Essex (62); Essex (63); Dublin e País de Gales (64); Hamburgo (65); Wimbledon e Joanesburgo (67); e Los Angeles.


DUPLAS MISTAS

CAMPEÃ - Montego Bay (57); Berlim e Sydney (59); Nacional da França, Gstaad, Adelaide e Caracas (60); Viena (61); Bastad (62); Baden-Baden (64); Munique, Dublin, Gstaad e Beckenham (65); e Beckenham (68).

VICE-CAMPEÃ - Barranquila (57); Dusseldorf, Barranquila, West Palm Beach e Jacksonville (58); Wimbledon, Londres e Barranquila (59); Wimbledon e Nacional dos Estados Unidos (60); Hamburgo, Bielefeld e Hilversun (62); Casablanca (63); Nacional da Itália; Nacional da França, Hilversun e East London (64); Nacional da França (65); Hamburgo e País de Gales (66); Wimbledon e Joanesburgo.

Fonte: CBT - Moacir Beggo e Gazeta Esportiva